Você já teve um sonho profissional? A Escola Prospera é um deles, mas já tive muitos, muitos! Já quis ser advogada, juíza, jornalista, apresentadora de TV, diretora de vídeo-clipes. Mas quando chegou o meu momento de definir uma profissão, escolhi ser professora.

Não consigo explicar exatamente como foi que eu troquei a ideia de trabalhar com áudio-visual para trabalhar com educação, mas sempre houve um lado em mim que era capaz de explicar coisas complexas de maneira muito simples. Lembro, por exemplo, do dia em que o professor de matemática do Ensino Médio repetia para uma sala cheia de adolescentes incrédulos que 100% era igual a 1. Alguns riam, outros chamavam o professor de louco, outros questionavam e se esforçavam para tentar achar uma lógica para o que ele estava dizendo, porém, tudo que ele repetia era “100% é igual a 1, ué? Por que é igual a 1? Porque é igual a 1! Não é possível que vocês não consigam entender!”. Naquele momento, para mim, era absolutamente claro: 100% é um inteiro e um inteiro é 1! Quando o tom jocoso assumiu proporções exageradas e o professor começou a ficar ofendido com as piadas, pedi licença para usar o quadro, ele aceitou. Fui lá para frente e, escrevendo na lousa, disse “100 por cento é a mesma coisa que 100 dividido por cem, certo? Quanto é 100 dividido por 100?” e, então, para assombro do professor, a classe inteira concordou: “É UM!!!”. Pronto, questão resolvida e mentes saciadas pelo conhecimento de uma novidade (bem ultrapassada, por sinal). O ponto aqui é que o professor sabia que 100% é igual a 1, mas ele não conseguia demonstrar, provar, para os alunos que 100% é igual a 1. Talvez porque aquilo era tão claro em sua visão de mestrando em matemática, que a simplicidade do raciocínio dos adolescentes não cabia em suas explicações. Quando coube na minha, eu descobri um grande tesouro: ensinar não é sobre o que o professor sabe, é sobre o que o OUTRO sabe, sua visão de mundo, sua forma de raciocinar. Talvez tenha sido essa descoberta que tenha me impulsionado para o curso de Letras, talvez minha paixão pela lógica da língua e a poesia da literatura. Na verdade, provavelmente eu nunca terei certeza, já que, quis o destino, não foi a sala de aula a minha primeira profissão adulta.

No início deste século, quando ainda não havia sequer atingido a maioridade, um amigo do colégio chegou com um papel e uma notícia “Minha mãe inscreveu a gente em um concurso público. Ela disse que acha que você tem potencial e que vai ser aprovada. A prova é no domingo e vai ser perto da sua casa”. Será que era o destino? Como eu já estava na pegada dos estudos pré-vestibulares, fui fazer a prova, dois dias depois da notícia, pensando que seria uma ótima oportunidade de treinar para a FUVEST. A prova não tinha nada a ver com os simulados, mas, tudo bem. Segui com minha vida de escola, cursinho, MTV e brigadeiro de panela.

Alguns meses depois, o resultado foi um choque: ao contrário do meu amigo, da irmã mais velha dele e do namorado dela (que cursava, na época, graduação em administração de empresas), eu havia sido APROVADA. Sim, antes de completar 18 anos, eu tinha a garantia de um emprego público. Era só aguardar a convocação para assumir o posto, o que, pela minha colocação, provavelmente demoraria um bocado.

Segui com meus estudos e, no mesmo ano, fui aprovada em 64º lugar, de 849 vagas, para a faculdade de Letras da USP. Meu primeiro sonho havia se realizado. Ao mesmo tempo, consegui meu primeiro emprego formal, como recepcionista de uma academia. Como eu era responsável por abrir a academia e não existiam muitos corajosos que enfrentavam a madrugada para treinar, passava as primeiras horas da manhã devorando as centenas de páginas de romances, críticas, línguas e letras que o curso me exigia. Com a média do primeiro ano, consegui uma vaga para cursar Inglês como segunda habilitação (a primeira era português). Deixei o trabalho na academia, no terceiro ano da graduação, para ministrar aulas de português para jovens carentes em um programa temporário da Prefeitura de São Paulo, que buscava prepará-los para o primeiro emprego. Foi a primeira vez em que troquei o certo pelo duvidoso. E adorei! Foi uma experiência enriquecedora e que me abriu os olhos para o mundo ao meu redor. Aprendi muito mais que ensinei.

Dois meses depois do fim do projeto, me vi sem qualquer recurso financeiro, pela primeira vez desde o fim da minha adolescência. E agora, José? No auge da minha culpa e arrependimento por ter me demitido de um emprego CLT para ser profissional autônoma, uma amiga me indicou para um estágio na MTV. Um estágio na MTV era a maior realização de sonhos que eu podia ter na vida, naquele momento. Eu passei minha adolescência cantando, chorando e rindo em frente à TV sintonizada no canal 32. Quando voltei radiante da entrevista, minha mãe me avisou que havia chegado um telegrama para mim. Era sobre o concurso, era a minha convocação, 3 anos depois da aprovação.

No dia em que eu deveria começar o estágio na MTV, assinei o contrato de trabalho no banco público. Nas minhas primeiras semanas ali, participei de uma formação específica para novos funcionários, em que a empresa, sua cultura organizacional, valores, objetivos estratégicos, gestão, benefícios, enfim, tudo, era apresentado para os novatos. Em meio à frustração por ter desistido do estágio mais legal do mundo, me encantei por aquela empresa e, principalmente, pelo fato de que a Instrutora que nos conduzia nesse processo, não só o fazia de maneira brilhante, como também era uma funcionária que, apaixonada por educação, como eu, conseguia aliar o trabalho no banco com sua vocação! Bingo! Era isso que eu queria! Eu queria ser como ela, que me contou empolgada sobre o processo, sobre o fato de que era bastante árduo, mas compensador. Eu só tinha que ser aprovada no período de experiência e esperar o próximo ciclo de formação iniciar. E era isso que eu ia fazer mesmo!

Professora Thaís Felix da Escola Prospera em seu primeiro dia de trabalho no banco

Meu primeiro dia de trabalho no banco!

Fui aprovada na experiência e assumi, efetivamente, um posto de apoio ao atendimento da agência. Aprendi muito, sobre bancos, seus processos, legislação, cultura organizacional, governança. Fiz centenas de cursos que eram disponibilizados gratuitamente na plataforma de educação corporativa da empresa. Após um ano de atuação na unidade, uma oportunidade de processo seletivo interno me chamou a atenção: eu atendia a todos os pré-requisitos!

Conversei com minha superior e ela me incentivou a me inscrever no processo. Fiquei empolgada, mas, ao ver a lista de mais de 180 inscritos para apenas 2 vagas disponíveis, levei um banho de água fria. Algumas pessoas ali estavam no banco desde antes de eu nascer! Como dizem hoje em dia, quem era eu na fila do pão? Uma novata corajosa. Pois bem que, algumas semanas depois, eu estava sentada no que era uma das salas mais chiques que eu já havia visto na minha vida, sendo entrevistada por um Comitê de altos executivos da 4ª maior administradora e gestora de fundos de investimento que, até bem pouco tempo antes era, para mim, só um produto que o pessoal da agência vendia, mas com o qual eu nunca tinha tido qualquer contato. Me informei muito, estudei muito, fui aprovada no processo e assumi o cargo aos 22 anos, em 2006, exatamente 1 ano e 2 meses após eu ter desistido do estágio na MTV e assinado o contrato de trabalho. Um mês depois, assumi o cargo de analista júnior na gerência nacional de desenvolvimento de fundos de investimento. Na mesma gerência, participando e ministrando treinamentos para gerentes, elaborando documentos de fundos de investimento e realizando assembleias com investidores, analisando mercado, tirando dúvidas e criando cursos online e releases para a imprensa, fui progredindo na carreira à medida em que ganhava experiência e conhecimento sobre esse novo universo que logo se tornou meu universo! Logo eu, tão de humanas! Não poderia ter sido melhor!

Com o fim da minha graduação e da licenciatura, realizei dois sonhos de uma única vez e decidi que era hora de me especializar ainda mais; iniciei uma pós-graduação em Mercados Financeiros, que conclui um ano e meio depois (olha aí mais um sonho realizado!). Quando eu cursava o último semestre da pós-graduação, mais de 5 anos desde o dia em que conheci a Instrutora do banco, finalmente foi aberto um novo processo de formação de instrutores corporativos da empresa! Conversei com o meu marido, com minhas superiores e me inscrevi no processo, que incluía uma imersão de duas semanas em outro estado, caso eu chegasse a essa fase. E eu cheguei. Foram provas, cursos, mais provas e vivências, a etapa online e, finalmente, 12 dias de imersão total para o desenvolvimento e avaliação das competências específicas. Ao fim do extenuante, porém enriquecedor e transformador processo, fui aprovada e me tornei instrutora corporativa. Realizei mais um sonho!

Segui minha carreira entre treinamentos pelo Brasil e a especialização cada vez maior no mercado financeiro. Aquela era sementinha da Escola Prospera germinando, sem que eu nem me desse conta. Após 8 anos na empresa, atingi a maior posição dentro da carreira técnica do banco – me tornei consultora da Superintendência Nacional de administração de fundos de investimento. Paralelamente, fui convidada, após indicação de meus colegas de trabalho, para ministrar aulas de finanças, renda fixa e fundos de investimento em um dos melhores cursos preparatórios presenciais para certificações ANBIMA de São Paulo. Após o nascimento da minha filha e com o cargo que estava ocupando, deixei de ministrar trenamentos e passei a atuar de maneira mais administrativa, principalmente com a adequação dos produtos e dos processos à legislação aplicável ao segmento, e também prestando suporte e atendimento aos órgãos fiscalizadores, como a CVM e o Banco Central do Brasil, e autorreguladores, como a ANBIMA. Apesar do sucesso profissional em minha área de especialização, eu sentia falta da educação, da troca, do contato com as pessoas. Eu sentia falta do meu sonho profissional. Sabe aquele sonho? Aquele sonho que todos os dias quando você vai dormir, você pensa “um dia ainda vou fazer isso!”? Então, esse propósito de vida era a minha paixão pela educação.

Foto da Professora Thaís Felix, fundadora da Escola Prospera, em premiação da Revista Exame

Comemoração de Prêmio da Revista Exame

Em agosto do ano passado, surgiu uma oportunidade única: pedir demissão do banco. Em meio à crise institucional e financeira e ao crescente índice de desemprego que assolavam o país, decidi aderir ao plano de demissão voluntária e me matricular em uma nova pós-graduação (agora em gestão empreendedora!) para seguir o MEU SONHO, o meu propósito de vida. Aliar tudo que aprendi em minha experiência profissional à minha forma de ensinar e propagar conhecimento pelo mundo, usar a tecnologia a favor da humanidade e de seu crescimento, transformar vidas pela educação! Esse era meu sonho, hoje é a minha realidade!

E foi desse sonho que a Escola Prospera nasceu, com o objetivo de criar uma trilha de aprendizado para o sucesso profissional no Mercado Financeiro – o PROFISSIONAL EXTRAORDINÁRIO. Depois de 12 anos de atuação no segmento, com certificação ANBIMA há mais de 10 anos, e como instrutora corporativa especializada em design instrucional, me dediquei ao desenvolvimento de uma metodologia que unisse conceitos teóricos à aplicação prática, para transformar a forma como são formados os profissionais do mercado financeiro hoje. Foi assim que eu cheguei à metodologia do Tripé Extraordinário, formado por 3 pilares:

1 – Plano de Estudos Personalizado, desenvolvido a partir de um Simulado, com foco em desenvolver e aperfeiçoar seus conhecimentos prévios para a prova. A partir da avaliação, é elaborado um plano de estudos com horas de dedicação para cada disciplina. Todos os dias o aluno recebe acompanhamento (coaching educacional) para que cumpra o seu plano de estudos e se torne um profissional extraordinário!

2 – Material adequado andragogicamente, completo, revisado, atualizado e adequado a todos os tipos de necessidades de aprendizagem – apostilas, aulas narradas e exercícios, para consolidar o aprendizado e aplicá-lo na prática, a longo prazo, relacionando cenários, contextos e conceitos, para proporcionar uma atuação profissional extraordinária!

3 – Atendimento de Dúvidas em tempo real e Revisão ao vivo – para garantir uma experiência interativa real, sem tirar o aluno de sua rotina e necessidades de estudo, oferecemos atendimento de dúvidas via Whatsapp! Além disso, ao final do curso, o aluno pode agendar uma aula de revisão do conteúdo ao vivo. Um profissional extraordinário nunca está sozinho!

Tripé extraordinário: o modelo andragógico da Escola Prospera!

Tripé extraordinário: o modelo andragógico da Escola Prospera!

Mais que a realização do meu sonho pessoal, a Escola Prospera é uma realização de sonhos coletiva, pois não estive sozinha no processo de tirar a ideia do papel e fazê-la acontecer. Tive apoio de muitas pessoas que acreditam em nossa missão e em nossa visão de futuro:

MISSÃO: Apoiar profissionais, por meio de treinamentos inovadores e de qualidade, no desenvolvimento de habilidades e conhecimentos necessários para transformar positivamente suas carreiras, permitindo-os atuar com excelência na distribuição de produtos de investimento e em outros campos de atuação relacionados ao mercado financeiro.

VISÃO: Tornar-se referência na qualidade e inovação  dos treinamentos oferecidos para a qualificação de profissionais para atuação na distribuição de produtos de investimento e em outros campos de atuação relacionados ao mercado financeiro e de capitais.

Quem Faz a Escola Prospera Ser Extraordinária

Foto da Revisora e Preparadora de Textos da Escola Prospera Andressa Bezerra Correa

Andressa Bezerra Corrêa

Andressa Bezerra Corrêa é revisora de textos da Escola Prospera e mãe da Ana Laura. Também é preparadora de textos de diversas editoras (Companhia das Letras, Todavia, Globo Livros, Grande Área, entre outras), atuando no mercado editorial desde 2005. Formada em Letras pela USP, deu aulas como voluntária em cursinhos comunitários de 2003 a 2007. Desde 2009, ministra periodicamente workshops gratuitos sobre a nova ortografia da Língua Portuguesa para microempresas, igrejas e grupos de jovens.

Foto da Designer Editorial da Escola Prospera Michely Mattos

Michely Mattos

 

 

Michely Mattos é Designer Editorial na Escola Prospera e mãe do Pedro. Graduada em Publicidade e Propaganda e pós-graduada em Marketing pelo Mackenzie, atua com Identidade Corporativa e Design Editorial de material educacional.

Foto da Revisora de Designer Instrucional da Escola Prospera Roberta Schmidt

Roberta Schmidt

 

 

 

 

Roberta Schmidt é revisora de Design Instrucional na Escola Prospera. Graduada em Rádio e TV na Universidade Santanna e pós-graduada em Educação Corporativa no SENAC. Atuou durante 7 anos na elaboração de Cursos à Distância no SENAC em São Paulo e atualmente também é analista de multimeios no SBT.

 

Além dessa equipe extraordinária, contei com o apoio do Concurso Hora de Brilhar 2017/2018, de fomento ao empreendedorismo feminino, uma parceria entre a Unilever e a Aliança Empreendedora que premiou 10 finalistas entre as mais de 1400 inscritas e, mais uma vez, eu estava lá!

As Brilhantes 2018/2017 - Catarina, Renata, Ivonete, Walquiria, Anna, Thaís, da Escola Prospera, Laís, Soraya e Natascha - Concurso Hora de Brilhar (copyright)

As Brilhantes 2018/2017 (da esquerda para a direita): Catarina, Renata, Ivonete, Walquiria, Anna, Professora Thaís Felix, Laís, Soraya e Natascha – Concurso Hora de Brilhar (copyright)

Pois é, como já diz o ditado “sonho que se sonha junto é realidade!” e é por isso que eu continuo seguindo meus sonhos e acredito que, compartilhando conhecimento, mais pessoas terão a mesma chance! Este blog surgiu exatamente da necessidade de compartilhar conhecimentos, da maneira mais abrangente possível, para ir muito além da Escola Prospera! Fico muito feliz por você ter chegado até aqui comigo, é isso que faz tudo valer a pena!

Veja o vídeo que produzimos para apresentar a Escola Prospera e nosso método Tripé Extraordinário:

Bom, eu precisava apresentar de maneira mais pessoal para vocês, mas não pensem que esqueci da nossa série Analisando o Programa Detalhado da CPA-10 para você ser aprovado agora! Publicamos este post aqui e este post aqui, e já tem um post novo no forno por aqui! Espera só um pouquinho que já vou publicar – eu juro que não serão 5 anos! 🙂

Por hoje é só, pessoal!

Até mais!

ps: você já se matriculou no Simulado Grátis da Escola Prospera? Não? Aproveite que estamos com promoção de Plano de Estudos grátis para quem completar o simulado! 😉

 

 

Thaís Felix

Thaís Felix

Professora e Fundadora da Escola Prospera em Escola Prospera
Sou licenciadapela USP, pós-graduada em Mercados Financeiros pelo Mackenzie e atualmente curso Especialização em Gestão Empreendedora no SENAC. Atuei durante 12 anos no Mercado Financeiro, em uma das 4 maiores administradoras de fundos de investimento do Brasil.
Thaís Felix